FRAGATA D. FERNANDO II E GLÓRIA


A fragata D. Fernando II e Glória em Cacilhas
Não é minha intenção falar da história deste navio, porque não sou a pessoa mais indicada para o fazer e também porque se o fizesse iria apenas repetir o que já consta de muitos e bom sites na Internet o que iria contra umas das finalidades deste blogue, que é a partilha de conhecimentos e informação o mais original possível. Assim, o motivo deste artigo é apenas o de relatar algumas das impressões com que fiquei numa visita que fiz a este navio museu.

Como habitante do interior do país, mas com uma forte ligação saudosista à capital, devido à minha permanência em Lisboa, durante o cumprimento do serviço militar na Marinha, resolvi fazer mais uma visita a esta cidade para matar saudades de alguns locais ligados ao imaginário da minha juventude.

Depois de algumas voltas pela baixa e pelas zonas ribeirinhas de Santa Apolónia, Terreiro do Paço e Cais do Sodré, resolvi embarcar num cacilheiro e visitar algumas áreas da margem sul. Quando saía da Estação Fluvial de Cacilhas, chamou-me imediatamente a atenção um navio veleiro que ali se encontra, que verifiquei tratar-se da Fragata D. Fernando II e Glória. Devo confessar que, apesar de saber que este navio tinha sido recuperado e estivera em exposição na Expo 98, que infelizmente não visitei, desconhecia completamente que agora se encontra naquele local e aberto ao público, para visitas.

Tenho uma paixão muito grande por este tipo de navios, o que pode ser comprovado na página deste blogue “Os meus navios”, pelo que a minha reacção foi imediatamente a de me aproximar para apreciar de perto a sua beleza e também para captar imagens fotográficas. Infelizmente o local em que está não permite a obtenção de boas imagens de corpo inteiro do navio e consequente apreciação de todo o seu esplendor, devido a ter um parque de estacionamento ao lado e alguns postes de iluminação, mas o facto de poder entrar no navio e conhecê-lo por dentro fez esquecer, naquele momento, esse pormenor menos bom.

Quando pisei o convés, fiquei impressionado com o grande número de peças de artilharia com que está equipado e também com o seu leme, que era manobrado por dois homens, ou por quatro, em caso de mau tempo.

Mas tudo ali nos transporta aos tempos históricos da navegação à vela e, no interior do navio, para além da apreciação física do mesmo, estão recriadas cenas de vida a bordo, que fazem com que, por momentos, a imaginação nos transporte a esses tempos, que seriam certamente difíceis, mas que deixaram um rasto de fascínio, que permanecerá eternamente.

Adorei fazer esta visita e recomendo-a vivamente, não só pelos conhecimentos que proporciona, mas porque com elas será possível manter vivo aquele símbolo da nossa história e assim efectuar, naquele navio e sem sair do local, uma fabulosa viagem ao passado.

Quanto ao serviço que é oferecido em termos explicativos sobre algumas partes do navio, do seu equipamento e da sua vida a bordo, acho que não será a melhor, pois as informações embora bastante detalhadas e claras, são fornecidas oralmente, através de um pequeno aparelho (tipo telefone ou rádio), algumas talvez demasiado longas, pois que para serem ouvidas na totalidade podem fazer prolongar demasiado a visita e acabam por não ficar retidas na memória sendo preferível, em meu entender, a entrega aos visitantes de um folheto com informações detalhdas, que acabaria por ser muito mais útil.

Uma das peças de artilharia no convés
A roda do leme
Parte do convés

Manobras na coberta

O cozinheiro a tratar das refeições

Sala de jantar

Na enfermaria

Doentes ou sinistrados em repouso
Outros artigos relacionados com a Marinha encontram-se listados em ÁREA MILITAR.

Comentários

  1. Ola Filho da Escola... Jose Alexandre
    Sou o Caldas 6809 de Marco de 1961, um ja velhote Filho da Escola, com prazer de visualizar os Sites e Blogs de outros Filhos da Escola.
    Muito bem feito teu Blog.
    Vou-te seguir inserindo teu Link na minha Pagina Pessoal.
    http://virgiliopscordeiro.no.comunidades.net
    Quando tiver mais tempo deixarei outros comentarios, pois da-nos prazer recebe-los.
    Dei com o teu Blog num Artigo inserido na http://companhia2fz.blogspot.com
    Um Abraco
    V. Cordeiro

    ResponderExcluir
  2. Aqui umas notas minhas sobra esta Fragata.
    Quando do incêndio, servia esta maravilhosa Nau, de casa para os nossos amiguinhos os fragatinhas. Quem não se lembra deles. Davam cor à capital juntamente com o resto da marujada em uniforme.
    Pessoalmente conheço um fargatinha aqui onde vivo e é uma pessoa exceptional.
    Quando fiz serviço no NRP Sagres, havia um Cabo Manobra, do Traquete (mastro de vante para quem não sabe), o Cabo Zé, o qual era também um Filho da Escola e da Fragata. Notóriamente, os fragatas eram dos marinheiros mais corajosos e bem treinados que conheci. Bem educados! Pudera, passaram a infância a marchar aquele convés e a sua piscina era o Tejo á volta do navio.
    A Fragata era uma instituição para crianças orfãs e sem abrigo e deu muito bom homen a este Portugal. Pena que a restauraram para a colocarem nesse local.
    Para as modernices que tanto têm destruído este país, a Marinha deveria obrigar o pessoal a saír de uniforme e só permitir que que os militares de licença o tirassem quando se encontrassem a uma distãncia de mais de 50 Km (por exemplo) das suas unidades e depois nunca antes de chegar à morada de licença. Antigamente (eu sei sou cota) só se podia andar de trajo civil depois de se chegar a casa. Claro que isto pouco funcionava mas pelo menos havia a beleza da Marinha nas ruas da capital. Quem nunca foi aos Estados Unidos ou à inglaterra, Alemanha, Holanda, Dinamarca, França, Russia, e muitos outros países e viu a marujada nas ruas não aprecia nem entende o seu significado. Não é só nostalgia.
    Bem haja a todos.

    ResponderExcluir
  3. Esqueceu-me de algo. Para os filhos da escola. reparem nas macas (em 1972 ainda eram fornecidas aos recrutas) e nas célebres mantas da marinha. As minhas ainda as tenho algures numa arca. Que quentinhas que eram.
    Bam Haja

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, amigo José Flor. Nós os cotas guardamos na memória a visão das ruas de Lisboa inundadas de marujos que lhes davam um colorido especial. Agora, quando vou a Lisboa, não consigo avistar um único marinheiro fardado.Também é verdade que a Marinha agora não tem nem metade do pessoal que tinha no início dos anos 70, e dos que ainda restam, já nenhum sai para a rua de uniforme.
      E, no nosso tempo, não era só em Lisboa que se viam marinheiros. Aos fins de semana encontravam-se também alguns nas mais recônditas vilas e até aldeias. mas, é claro, isso também tinha muito a ver com a guerra colonial que obrigava o país a ter muitos militares e, por esse lado, é bom que as coisas tenham mudado.
      Um abraço.

      Excluir

Postar um comentário