O INÍCIO DOS TRABALHOS AGRICOLAS

A primavera aproxima-se a passos largos e com ela vai chegar também a azáfama aos campos, com a preparação das terras para as várias sementeiras. As acácias já estão em flor e, apesar de estarmos ainda em pleno inverno, aquelas manchas de amarelo vivo são o anúncio da chegada dos dias grandes, com muita luz.



Apesar de ser ainda um pouco cedo, nesta zona, para iniciar as sementeiras, já comecei a preparar o terreno na minha chácara para semear batatas temporãs. Como é um espaço com muitas árvores de fruto, não é possível entrar lá um tractor para fazer a lavragem, pelo que tenho que revolver a terra utilizando apenas a minha moto-enxada. Assim, aproveitando o facto de o tempo estar de feição fui lá dar hoje a primeira fresagem, contando fazer a sementeira lá para o fim do mês de Fevereiro. Entretanto as ervas ir-se-ão decompondo e, na véspera da sementeira, passarei a fresa novamente.

Há alguns anos atrás para as batatas semeadas mais cedo, costumava cavar a terra e ia logo colocando as batatas e o adubo, que depois cobria com a terra que ia cavando, mas agora cavar a terra com uma enxada é um exercício um bocado penoso para mim, o P.D.I. (Peso da Idade) não perdoa…

Ainda a propósito da minha moto-enxada devo dizer que o depósito de combustível improvisado, em plástico, que descrevi em Improvisação, Sonho e Realidade, se está a aguentar muito bem, apenas tive inicialmente alguns problemas com o tubo de retorno, mas que já estão resolvidos.

Entretanto aproveitei a paragem de inverno nos trabalhos agrícolas para fazer a cobertura da casa de pedra da minha chácara com telhas. A cobertura era também em pedra, mas embora não chovesse na casa, repassava alguma humidade, pelo que optei por fazer a cobertura com telhas “recicladas”. Chamo-lhe recicladas porque as encontrei num aterro em que estavam destinadas a ser soterradas e logo ali resolvi dar-lhes novo destino, porque apesar de já não serem novas, ainda servem muito bem para o efeito. Efeitos da crise, digo também…

Artigos relacionados:

Comentários

  1. P.D.I meu amigo?...ahahah ... não fale assim , acho que voce tem muita batata para colher ainda!
    Aliás J. Alexandre , me parece uma coisa boa ter uma chácara para plantar e colher seu próprio alimento , certamente eles serão bem mais saudáveis do que os comprados no mercado.

    Bom final de semana e beijinho =D

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde Amigo Alexandre

    Pois é, o problema da terra, é a erva...há quem diga que toda a terra que tem erva é boa para criar, mas na parte que me toca já não posso dizer o mesmo.
    No pouco terreno que possuo ainda não consegui fazer nada dele...excessivamente barrento. Poucas árvores vingam.
    E eu que gostava de ver tudo verde e ter agricultura biológica, mas o excesso de água que a terra retem é bastante nefasto para as espécies.Aguentam-se as oliveiras centenárias, algumas pereiras e pouco mais
    De qualquer modo lá vou fazendo alguma coisa enquanto o PDI permitir.
    Agora estou a planear a construção de uma estufa para algumas experiencias com diversas espécies...vamos lá ver.
    Mas só o facto de fugir da cidade e palmilhar aquele palmo de terra e respirar aquele ar já é compensatório.
    Um abraço
    Camilo

    ResponderExcluir
  3. Amiga Cintia:
    É verdade que é muito bom podermos nós próprios produzir alguns dos alimentos que consumimos. São mais saudáveis e sabem melhor. Ah, já agora, aquela do PDI era a brincar. A Cintia tem razão, ainda tenho muita batata para colher e também comer, se Deus quiser.
    Quanto ao amigo Camilo, não pára de me surpreender! Além de pintar quadros magníficos, agora também se dedica a fazer experiências com espécies agricolas. Que interessante! Depois diga como correram as experiências, mas tenho a certeza que vai ter sucesso.
    Um abraço aos dois e uma boa semana.
    José Alexandre

    ResponderExcluir

Postar um comentário